Nascimento de um personagem

Algum de vocês aí é pai? Sim? Não? Somente quem é pai E jogador de RPG entende a angústia sobre a qual vou lhes falar. Quando o pai é participativo, durante uma gravidez normal, suas preocupações só começam na hora do parto, ou pelo menos é nesta hora que elas se intensificam e se tornam críticas. A angústia, apreensão e aflição são tamanhas que até a respiração falha. No meu nascimento EU me senti assim, por que no meu mundo, existimos antes de sermos concebidos na forma de consciência elementar e tenha certeza que não gostamos nem um pouco da sensação de ser abortados. No meu mundo somos concebidos a partir de uma ideia e para existirmos fisicamente precisamos de infusão divina aka dados sendo rolados. É esta infusão divina que nos direcionará, que nos guiará rumo ao que seremos, mas elas não ditarão o que seremos e nem onde vamos chegar. Isso cabe a nossa capacidade em vencer os obstáculos que nos são impostos, os que impomos sobre nós mesmos e a alguma limitação com a qual nasçamos (sim, não somos uma sociedade espartana). Porém, algumas pessoas de mente fechada acreditam que somente os fortes sobrevivem e somente eles são capazes de transformar o mundo. Estas criaturas – os considero monstros terríveis – são capazes de matar sua prole apenas por não acreditar que ela possa ser alguém em virtude de alguma limitação que ela possua no nascimento. Pais que […]

Leia Mais →

Itens Mágicos

Os itens mágicos eram, na minha época, a cereja do bolo, mas hoje são o bolo sem cereja e olha que um mago de minha estirpe não fala com saudosismo, isso é coisa para pessoas com complexo de imortalidade. Os itens mágicos mais novos, feitos pouco antes e depois da Praga Mágica que assolou minha terra natal, são comuns, com poderes fantásticos, mas como os bons e velhos anões, não possuem Carisma algum! Para piorar um pouco ainda a situação, como filhotes de orcs, eles existem as centenas, e em qualquer taverna dos Reinos Esquecidos e Lembrados é possível comprar, legalmente, um item mágico no mercado local. Quando os Magos da Costa abriram o portal para Dark Sun, introduziram os tais Bônus Inerentes, já tratados aqui no blog e em muitos outros, que permitiam que os aventureiros perdessem a dependência pelos itens mágicos (em Dark Sun eles são raríssimos). A idéia teve força e foi oficializado com o Player’s Handbook 3, que apresentou os bônus inerentes como parte das regras oficiais e válidas para qualquer cenário. Observando de longe eu imaginei que aquilo seria uma tendência de refreamento da banalização dos itens mágicos, mas a tendência não durou muito, pois às portas temos o Mordenkainen’s Magnificent Emporium, que seria o que? Uma versão moderna do Auroras Whole Realms Catalog? Quando eu imaginava que o trabalho de fazer itens mágicos seria finalmente reconhecido, vem mais um lançamento para cagar o nosso […]

Leia Mais →

Wicked Heroes – Reporte Sessão 1

Sentei-me a mesa com a preocupação de fazer uma boa apresentação de Wicked Heroes para os amigos de Campina Grande/PB durante o Dia D RPG Campina Grande, e logo vi algumas pessoas interessadas em experimentá-lo. Infelizmente não levei um maço de cartas de baralho comuns e ninguém no evento dispunha deste item imprescindível ao jogo, por ser o elemento de aleatoriedade utilizado para auxiliar na resolução dos conflitos. O jeito então, foi improvisar com os dados que levei. Participaram da 1ª sessão de Wicked Heroes o Moisés, Jeferson, George, Rafael e Agostinho. O processo de criação foi relativamente rápido, não demorando mais do que 30 minutos, um processo que deixei bem aberto para não entrar em detalhes do sistema e fazer com que todos ficassem bem a vontade. Logo, tínhamos os seguintes personagens: Moisés interpretando um corretor de imóveis com o poder de curar-se de todos os danos, menos os causados por eletricidade e sem nenhuma maldição. Jeferson interpretando um chinês imigrante que trabalha três expedientes, tem garras como poder eódio de japoneses como maldição. George interpretando um nerd com super força e paixão por jogos de videogames. Rafael interpretando uma patricinha estudante de enfermagem capaz de teleportar-se e commedo de altura. Agostinho interpretando um faxineiro de escola primária com o poder de ler mentes e medo de insetos. A premissa básica fora cumprida, os jogadores haviam construído personagens com vidas normais e com um poder que ao mesmo tempo representa uma benção e uma maldição, ainda mais quando a maldição é levada em conta. A sessão poderia ter sido muito […]

Leia Mais →

Construindo personagens para D&D 4E

Que D&D 4E virou um jogo de tabuleiro, ninguém duvida, embora alguns contestam, mas ainda é meu jogo de tabuleiro narrativo preferido, principalmente pelos novos elementos introduzidos. O jogo focou, alguns acreditam que exaustivamente, no elemento estratégico, esquecendo do elemento narrativo, mas isso são outros quinhentos. Exatamente por ter este elemento estratégico tão acentuado achei pertinente discutir elementos estratégicos, em todos os sentidos, partindo da construção dos personagens até jogando uma campanha. Hoje vou começar a falar sobre a construção do personagem. Construindo personagens para D&D 4E Alguns jogadores curtam o momento de criar personagens, outros nem tanto, mas criar um personagem é criar o esqueleto sob o qual ele se desenvolverá. O histórico do personagem e as aventuras que cada um deles viverá será os músculos, tecidos e sangue do personagem, e a forma de interpretá-lo lhe fornecerá a alma ou anima se você preferir. Alguns jogadores gostam de pesquisar nomes e criar históricos elaborados enquanto outros preferem os aspectos mecânicos da criação do personagem, focando nos aspectos estratégicos. A maior parte de nós – sendo bem otimista – fica entre os dois extremos, preferindo personagens com históricos bem desenvolvidos e aspectos mecânicos equilibrados, mas como atingir esse objetivo? Iniciando pela criação de personagens de primeiro nível, alguns aspectos são muito relevantes e tratarei deles nos próximos artigos. São eles: Conheça a campanha; Caracterização do personagem; Fundamentos da construção do personagem; Passando de nível; Opções avançadas. Para quem tem, já leu e […]

Leia Mais →

8 coisas que aprendi com o D&D Encounters

O D&D Encounters começou em Março de 2010. Desde então eu tenho me aventurado na loja de jogos nas noites de quarta-feira depois do trabalho para jogar D&D. Eu comecei na primeira temporada como jogador. Nas temporadas 2-3 eu ainda estava jogando, mas já me sentia preparado para mestrar se fosse preciso. Quando a quarta temporada começou decidi me tornar mestre definitivamente. Agora, na quinta semana da sexta temporada, ainda estou mestrando e a todo vapor. Antes do D&D Encounters começar  eu tinha experiência com jogos públicos de D&D, mas a experiência estava limitada ao Living Forgotten Realms e os D&D Game Days. Ambos apresentavam excelentes oportunidades para jogar D&D mas estas eram experiências bem diferentes das que eu experimentei mestrando D&D Encounters. O D&D Encounters é designado para ser uma porta de entrada para jogadores que não conhecem o D&D 4E. No entanto, ele também serve para jogadores experientes caso eles não possuam um grupo regular de jogo. Isso faz com que jogadores com os mais diferentes níveis de experiência em D&D se reunam. No ultimo ano e meio eu tenho visto muita coisa enquanto participando do D&D Encounters – algumas boas, outras nem tanto. Eu gosto de pensar que no final, tudo que eu absorvi me tornou um mestre melhor e desenvolvi uma boa ideia do que é necessário para manter a aventura empolgante a cada semana. Hoje vou compartilhar algumas coisas que aprendi mestrando aventuras do D&D […]

Leia Mais →

22º Trampolim no Bob’s

Olá pessoal, neste sábado, dia 17 de setembro estaremos lá no Bobs de Ponta Negra outra vez, para nos reunir e jogar os mais divertidos boardgames e RPGs do mundo. Contamos com a presença de todos, e que possam trazer seus jogos e também amigos e familiares que gostem dos jogos lúdicos. Como sempre peço que indiquem alguns jogos que quiserem jogar por lá, visto que não terá como eu levar todos. Alguns que estarão à mesa: Dixit – e agora com o novo Dixit Odissey. Bausack – equilíbrio e desafios na montagem das torres. Luna – Um dos mais inteligentes jogos da nova safra de jogos Troyes – Agora com a tradução das regras em português (perguntem ao Pedro). 7 Wonders – agora com a expansão Líderes, mais desafiador ainda. Outras surpresas estarão lá à mesa, é só conferir. Sábado, a partir das 14hs, no andar superior do Bobs de Ponta Negra! Nota de Franciolli Araújo: Além destes jogos, vocês terão pelo menos mais uns 40 jogos a disposição! 

Leia Mais →

A primeira missão como mestre

Começar a mestrar nem sempre é fácil e a tarefa se torna mais difícil quando o mestre passa a pensar que tem diante de si uma das missões de Hércules, mas a verdade é outra. Eu comecei a mestrar em 1995 com um dos produtos que considero mais acertados para publicação no Brasil (na época), o fantástico First Quest. O produto era vendido em um conjunto contendo um livro de regras (com 16 páginas), livro de aventuras com quatro aventuras prontas, fichas ilustradas listando as magias arcanas e divinas, planilhas ilustradas com seis personagens prontos, seis miniaturas azuis de plástico, um conjunto de dados (d4, d6, d8, d10, d12 e d20), cinco mapas em escala e um CD de áudio que explicava como funcionava o RPG e tinha trechos que eram tocados durante determinadas partes da aventura, ajudando na ambientação. Um amigo chamado Iucatã comprou o cenário de campanha de Forgotten Realms (em português pela Abril), mas como não tinha regras trocou por um First Quest completo, mas já usado e convidou a mim e ao amigo Alexsandro “Aranha” Dantas para jogar. Gostaria muito de lembrar quem mais jogou conosco, mas a memória é fraca. Usamos as fichas que vinham no jogo e lemos as regras, tudo muito simples, e o Iucatã mestrou a primeira aventura do módulo chamada A Tumba de Damara. A aventura foi muito interessante, com a presença de muitos elementos clássicos do RPG. Como um grupo […]

Leia Mais →

Old Dragon Day 2011

Hoje, com o dia pra lá de conturbado, vou pegar o texto na íntegra do RedBlog anunciando o Old Dragon Day 2011 que vai ser ÉPICO. * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * Saudações! Em uma atribulada e inesquecível manhã de 3 de novembro um post muito especial do Paragons trazia o seguinte título: Habemus Old Dragon! Nobilis Draco Era a deixa para o lançamento do livrinho vermelho que faria uma verdadeira revolução nas nossas vidas, e que resultaria na criação da Redbox (que espero que todos conheçam a essa altura do campeonato). Como não poderia deixar de ser, o 3 de novembro é uma data que merece ser comemorada, e assim fazemos a chamada para a melhor forma de comemorar o aniversário de um RPG: jogando-o! Com esse propósito, estamos começando a organizar o OD Day 2011, o Dia de Jogar Old Dragon, a ser realizado em qualquer lugar do Brasil no próximo dia 5 de novembro. Mas como vai ser o OD Day 2011? Uma aventura especial será criada e distribuída gratuitamente através do nosso site, com mapas, monstros inéditos, armadilhas e tudo o mais, para que todos possam baixar e jogar, seja na sua loja de RPG favorita, seja em uma escola, seja na mesa da cozinha, seja atrás da moita, seja aonde for! Mas, independentemente da onde ocorrer o jogo evento, independentemente de quem for participar dele, ele será […]

Leia Mais →

Qual o melhor sistema para começar a mestrar?

Outro dia acompanhei uma discussão no Facebook sobre qual o melhor sistema para começar a mestrar e vi muitas respostas, mas nenhuma delas, se eu fosse a pessoa perguntando, me satisfaria. Pensei um pouco sobre o assunto e acredito que ao responder estas três perguntas é possível nortear a resposta sobre qual o melhor sistema para um mestre iniciante começar jogar. 1. O idioma é uma barreira? Eu havia considerado esta pergunta como a segunda mais pertinente, mas me corrijo, colocando-a em primeiro lugar, afinal, é a partir daqui que todo um universo pode se abrir ou fechar para o jogador. Embora muitos bons RPGs estejam sendo traduzidos e até mesmo produzidos em português, nem todos os bons títulos estão disponíveis em nosso idioma e o acesso a alguns livros acaba se tornando difícil em função da barreira idiomática, uma vez que compra-los hoje em dia é muito mais fácil que fazê-lo na década de 90 do século passado. Para os RPGs traduzidos, nem sempre (quase nunca) toda a linha de produtos é traduzida e embora os livros básicos [aqueles com as regras] estejam em português, os suplementos acabam sendo acessíveis apenas para quem tem conhecimento na língua inglesa. 2. Que tipo de aventura você gostaria de viver? Após responder a primeira pergunta, passamos para o(s) tipo(s) de aventura(s) que você (seu grupo) gostaria de vivenciar. Estórias de detetives (como no seriado CSI), super-heróis (como no seriado Heroes), medieval (como […]

Leia Mais →

Dia D RPG – Campina Grande

Parafraseando o Tio Nitro “o evento foi doidimais“. O Grupo Trampolim da Aventura, de Parnamirim/RN, deslocou-se nesse final de semana (10 e 11 de setembro) para a cidade de Campina Grande/PB, onde ocorreu o Dia D RPG e nos surpreendemos com cada detalhe de nossa viagem. O grupo composto por Hemerson (dirigindo), Franciolli, Tendson e Maciel, saiu às 5h da manhã, guiados por um pseudo-GPS no iPad do Tendson. O caminho foi tranquilo, com um pequeno contratempo ocasionado por uma distração que o Tendson causou ao motorista, que resultou nisso… Após o pequeno contratempo e muitos quilômetros depois, paramos para tomar o desjejum em Bananeiras/PB, mas a fome estava tamanha que ninguém pensou em tirar fotos. Com um pseudo-GPS nos guiando, ao chegarmos em Campina Grande demos apenas cinco voltas na mesma área até chegarmos ao local do evento. Detalhe: passamos bem próximo do local do evento nas cinco vezes. Quando chegamos ao local do evento, por volta das 9:30h, já haviam muitas mesas de RPG montadas. Enquanto a galerinha se divertia com RPG, o Maciel fazia algo que ele adora… E enquanto isso, com a mesa de jogos já montada, Tendson conversava com o Jeferson Antunes e o Moisés… Enquanto mais pessoas não chegavam no evento e abriam mesas de boardgames, Hemerson e Maciel faziam o que tem feito melhor… Ainda no primeiro dia e sem cartas de baralho, improvisei com dados e algumas pessoas ficaram interessadas em jogar Wicked Heroes. […]

Leia Mais →