Aventurando-se no modo difícil – Dark Sun

Saudações, aventureiros. No artigo anterior, apresentei as regras variantes, presentes no Dungeon Masters Guide do D&D 5E para mestrar uma aventura no cenário de Ravenloft e neste, vou falar um pouco sobre o escaldante cenário de Dark Sun. Dark Sun é um cenário mais árido (literalmente) e em AD&D, os personagens já começavam no terceiro nível e a quarta edição do D&D é considerada por muitos jogadores (eu inclusive), como a edição para o cenário, então ele é heroico e cheio de ação, com personagens capazes de fazer muita coisa e com um nível de poder um pouco mais elevado, então, eis a minha lista de regras variantes que do D&D 5E que eu utilizaria para mestrar uma aventura no cenário. a) Dado de Proficiência Ao invés de um bônus fixo de proficiência, os personagens possuem um dado de proficiência, rolados junto com o d20, como apresentado na tabala abaixo. b) Pontos heroicos Os personagens começam com 5 pontos heroicos no primeiro nível e podem gastá-lo sempre que fizerem uma jogada de habilidade, de ataque ou de resistência. Gastar um ponto heroico permite que o jogador adicione 1d6 ao resultado da jogada, sendo permitido apenas uma utilização por jogada. Uma outra utilização para os pontos heroicos é tornar uma jogada contra morte mal sucedida em um sucesso. O personagem recupera os pontos perdidos sempre que alcançarem um novo nível e o número máximo de pontos heroicos é igual a 5 + 1/2 […]

Leia Mais →

Construindo uma fortaleza

Entre aventuras, os personagens podem gastar seu tempo ocioso construindo uma fortaleza. Antes que o trabalho comece, o personagem deve adquirir um lote de terra. Se a propriedade situar-se em um reino ou domínio similar, o personagem precisará de uma escritura real (um documento real garantindo permissão de supervisionar o estado em nome da coroa), uma concessão de terra (um documento legal transmitindo a custódia da terra para o personagem enquanto ele for leal à coroa) ou um título (documento legal que sirva como prova da propriedade das terras). As terras também podem ser adquiridas por herança ou outros meios. Escrituras reais e concessões de terra são concedidas normalmente pela coroa como recompensas por serviços de lealdade, embora também possam ser comprados. Títulos podem ser comprados ou herdados. Pequenos estados podem vende-los por preços que variam de 100 po a 1000 po, enquanto estados maiores eles podem custar 5000 po ou mais, isso quando são vendidos. Uma vez que o lote de terra estiver assegurado, o personagem precisará de acesso a materiais de construção e trabalhadores. A Tabela 1 apresenta o custo para construir uma fortaleza (incluindo materiais e trabalhadores) e a quantidade de tempo demandada, levando em consideração que o personagem utilizará o tempo ocioso para supervisionar a obra. Tabela 1. Construindo uma fortaleza Fortaleza Custo da Construção Tempo da construção (dias) Mosteiro 50.000 po 400 Salão de guilda – cidade ou metrópole 5.000 po 60 Forte ou pequeno […]

Leia Mais →

Criando itens mágicos

Quando os personagens não estão envolvidos em aventuras, eles podem dedicar seu tempo ocioso a diversas atividades, muitas delas descritas no Players Handbook e no Dungeon Master Guide. Os personagens podem dedicar-se, entre aventuras, à criação de itens mágicos, desde que isso seja permitido pelo mestre, considerando que os segredos para criação destes itens possam estar enterrados pelas areias do tempo. Caso a criação de itens seja permitida, os personagens precisarão ter uma fórmula que descreva como o item deve ser construído; slots de magia ou pontos de magia; serem capazes de conjurar qualquer magia que o item reproduza e possuir o nível mínimo, indicado na Tabela 1. Tabela 1. Criação de itens mágicos Raridade do Item Custo de Criação Nível Mínimo Comum 100 po 3º Incomum 500 po 3º Raro 5.000 po 6º Muito Raro 50.000 po 11º Legendário 500.000 po 17º Um personagem de 3º nível poderia criar uma varinha de mísseis mágicos, um item incomum, enquanto possuir slots de magia e possa conjurar mísseis mágicos. O mesmo personagem poderia criar uma arma +1 (outro item incomum), sem requerimento de magias. A criação de alguns itens mágicos podem requerer materiais ou locais especiais para serem criados. Por exemplo, um personagem poderia necessitar de suprimentos alquímicos para criar uma poção, enquanto a fórmula de uma arma língua de fogo possa requerer que a lâmina seja forjada em lava. Um personagem engajado na criação de um item mágico progride 25 […]

Leia Mais →

5x Épico

Saudações. Na última segunda-feira (13.04.15), consegui narrar a segunda sessão da aventura The Hoard of Dragon Queen, na qual rolei os encontros de salvamento no templo e o ataque dracônico. Vindo de uma série de encontros que deram errado, somando-se ao fato do terceiro jogador atrasar mais de uma hora, e de um brilhante motorista de caminhão arrastar a fiação de energia da rua e nos deixar completamente no escuro, a moral estava baixa e a expectativa perfurando o solo. Instigado a jogar, resolvemos ligar as lanternas, abrir os livros e rolar os dados. Eu peguei vários ganchos de narração do Dungeon World e fui deixando a ação rolar e o resultado foi empolgante e pela primeira vez em alguns anos, narrei uma sessão curta (1h15min) de pura emoção. Os personagens (um anão ladino, um anão clérigo e um bárbaro meio-orc) conseguiram esgueirar-se pela cidade até o templo e resgatar as pessoas que estavam presas, derrotaram rapidamente dois, dos três grupos que circulavam o prédio e retornaram em segurança para o castelo. Aproveitei a sessão para testar a regra de margem de sucesso, e além de não ter notado nenhuma redução na velocidade do jogo, ela foi muito bem vinda no jogo. Como eles não haviam sido feridos nos conflitos, resolvi colocar o encontro com o dragão azul adulto assim que eles entraram no castelo e foi aí que as coisas ficaram épicas. Assim que vocês sobem as escadas que levam ao piso […]

Leia Mais →

Esquiva fantástica

Saudações. Hoje vou Pegar o gancho de uma dúvida do Reynaldo Junior na comunidade DnD Next BR no Facebook. Em uma sessão, um mago invisível conjura uma bola de fogo em um ladino. O ladino é bem sucedido em um teste de resistência e sofre metade do dano, porém, ele poderia beneficiar-se da característica uncanny dodge? Uncanny Dodge é uma habilidade que os ladinos ganham quando chegam ao quinto nível, sendo traduzida livremente da seguinte forma: Começando no 5º nível, quando um atacante que você possa ver o acerta com um ataque, você pode usar sua reação para diminuir o dano causado pela metade. Invisibilidade é uma magia que requer concentração, mas é finalizada quando a criatura invisível faz um ataque ou conjura uma magia, que embora precise, algumas vezes de uma jogada de ataque para entregar o efeito, sempre utiliza a ação conjurar magias. Na seção Unseen Attackers and Targets, é dito: Se você estiver escondido – sem ser visto e ouvido – quando você faz um ataque, sua posição é revelada, seja o ataque bem sucedido ou não. Na seção Making an Attack, temos: Quer você esteja golpeando com uma arma de combate corpo a corpo, disparando uma arma à distância ou fazendo uma jogada de ataque como parte de uma magia, um ataque tem uma estrutura simples. RESOLVENDO O PROBLEMA No caso apresentado, o ladino não poderia usar a habilidade pelas seguintes razões: Ele não sofreu um “ataque”; A magia bola de fogo só produz um efeito […]

Leia Mais →

Guilda dos magos

Nenhuma cidade medieval fantástica está completa sem uma guilda de magos. Como outros membros da sociedade, os magos precisam de uma comunidade e segurança coletiva. Para determinar a viabilidade da guilda de magos, é preciso entender por que elas são formadas: quais benefícios elas oferecem, quais pagamentos financeiros e sociais seus membros fazem pelo privilégio da associação e o papel da guilda como regulador da cidade. As guildas configuram-se como espaços para a convivência amigável, segurança e distinção social de acordo com a profissão ou ofício de seus membros. Uma guilda de magos oferece muitos benefícios para seus membros, tanto social quanto orientada ao arcanismo. Se um mago sofrer a última morte, a guilda assegurará um funeral apropriado e uma pensão para a viúva e seus filhos. Para os membros suficientemente ricos, a guilda pode garantir uma ressurreição. Em grandes cidades com guildas ricas, a guilda pode garantir acesso a centros de pesquisa, laboratórios, materiais especiais e componentes materiais. Onde mais um mago poderia ter fácil acesso as serpentes da cabeça de uma medusa, mesmo tendo que pagar o preço exorbitante da guilda? Outras possibilidade incluem o compartilhamento de aprendizado mágico, troca de magias, empréstimo/locação de itens mágicos. Banquetes de feriados e produções teatrais fazem grande sucesso nos salões da guilda e os tipos de músicas que os magos cantam depois de consumir jarros de cerveja são lendárias. Os magos também gostam de falar para audiências que entendam o que eles […]

Leia Mais →

Guildas de ladrões

Saudações aventureiros. Hoje vamos falar um pouco sobre as guildas de ladrões, como elas se encaixam em um cenário medieval e principalmente, discutir que nem todo membro de uma guilda de ladrões será da classe ladino. As guildas de ladrões são associações entre pessoas que fazem do roubo o seu meio de vida. Membros de uma guilda de ladrões não precisam ser vagabundos, nem estes precisam fazer uso de suas habilidades mais obscuras. Ser parte de uma guilda de ladrões proporciona os mesmos benefícios básicos de qualquer guilda: segurança, treino e artes do ofício. Os seus membros recebem treinamento e ferramentas especializadas do ofício, que não estão disponíveis em lojas comuns. Se um membro da guilda se envolve em algum problema legal, a guilda pode puxar algumas cordas, especialmente se existir um retorno financeiro ou troca de favores. As guildas de ladrões congregam indivíduos com as mesmas opiniões, que fazem alianças, planejam trabalhos, e obtêm informações sobre prédios, pessoas e medidas de segurança. Outro benefício de tornar-se membro de uma guilda de ladrões, além de não ter as duas pernas quebradas, é poder participar de um tipo mais sofisticado de roubo: o ramo da segurança. Indivíduos pagam a guilda para que eles, suas casas e seus prédios não sejam roubados, mas isso só funciona com a implícita cooperação dos membros da guilda. Se o líder da guilda disser “não roubem este local”, ele realmente quer dizer “não roubem este local”. As guildas também […]

Leia Mais →

Uma questão financeira

Saudações. Na semana passada recebi um e-mail do serviço de hospedagem do Ordo Veritatis e tomei um susto quando vi o valor necessário para renovação, por mais um ano, do serviço. Ao longo dos anos fui mudando os serviços gratuitos, pagando serviços, e a melhor experiência ocorreu em parceria, mas as diversas tentativas de manter um serviço pago por um retorno ínfimo me fizeram sentar e ponderar enormemente no próximo passo que eu tomaria. Hoje, o tempo não me permite escrever com a mesma frequência que eu escrevia sobre o tema RPG, e ainda estou em busca de um grupo de RPG que possa se consolidar e atender minhas expectativas quanto mestre/jogador: encontros semanais que realmente aconteçam. Pode ser que, repentinamente, ocorra um surto de artigos ou pode ser que as coisas continuem como antes. Só o tempo dirá, mas de uma coisa tenho certeza: a menos que o cenário mude drasticamente, uma nova mudança parece improvável.

Leia Mais →