Encontros aleatórios na 4ª edição

Publicado por

Texto original: Endday Interlude: Wandering Encounters in 4e
Postado em: 20 de fevereiro de 2010
Autor: Greywulf
Site: Greywulf’s Lair

Existe uma palavra que define pessoas que não gostam de monstros aleatórios, eles são chamados “jogadores”. Mestres (pelo menos com os quais tenho falado) amam esse tipo de monstro, pois eles adicionam aleatoriedade ao que pareceria uma cadeia de encontros bem planejada. Na última sessão da Campanha Fim dos Dias eu experimentei adicionar monstros errantes à mistura com ótimos resultados. Veja como.

Primeiro um pouco de história. Houve um tempo em que os monstros aleatórios eram uma importante parte de D&D. Num cenário de masmorra, os caras vão do ponto A ao ponto B e geralmente alguns monstros cruzam o caminho dos aventureiros. O mestre rolava para ver se um encontro aleatório acontecia (no antigo D&D, uma jogada de 1 em 1d6 a cada 2 turnos), determinava a distância do encontro (2d6 x 3 metros) e então rolava numa tabela para ver que monstros o desafortunado grupo iria confrontar. Cada nível da masmorra possuía (na verdade ainda possui) a sua própria tabela e muitos mestres passavam horas felizes criando e customizando suas próprias Tabelas de Monstros Errantes que eram apropriadas para sua masmorra e seu mundo de jogo. Eu sei por que eu fazia isso.

Quando levamos isso para a 4ª edição, é melhor pensar em termos de encontros aleatórios ao invés de meros monstros. Ao invés de um grupo deparar-se com 4d4 Kobolds, eles podem deparar-se com um encontro pré-determinado com Kobolds e uma variedade de monstros e papéis misturados. Isso tem mais a ver com a filosofia da 4ª edição de “pense no encontro inteiro, não em monstros individualmente”.

Os encontros na 4ª edição normalmente são compostos por três coisas: Monstros, Terrenos e Armadilhas/Perigos. Quando lidamos com encontros aleatórios, devemos pensar primeiro nos monstros e considerar o terreno somente depois. Guarde as armadilhas para o os encontros planejados – um Encontro Errante deve proporcionar ação, mas não tornar o jogo lento enquanto os heróis tentam desarmar ou escapar de uma armadilha difícil.

Freqüência do encontro

O dado que você joga para determinar a freqüência dos encontros irá ditar quão freqüentemente eles ocorrerão. Para as sessões do Fim dos Dias eu jogava 1d6 sempre que os heróis faziam um descanso curto e modificava em +1 para cada descanso curto que eles tinham depois do último encontro aleatório. Com um resultado de 6 ou mais, um encontro aleatório acontecia. Se você quiser reduzir a chance dos encontros aleatórios, use um d10 ou d12.

Faça os encontros acontecerem em momentos apropriados. Atinja os personagens quando eles estiverem descansando ou guarde o encontro para quando eles estiverem viajando. Esta também é uma boa forma de usar “zonas mortas” no mapa de uma masmorra – um encontro em um corredor apertado é muito diferente do que numa sala ampla.

Distância do encontro

Role 2d20 para o número de quadrados entre o grupo e o monstro errante mais próximo. Isso coloca o encontro entre 2 e 40 quadrados de distância. Não se esqueça de levar em consideração a visibilidade (um humano carregando uma tocha pode ver nitidamente uma distância de apenas 5 quadrados, PHB 262) e jogar para determinar surpresa. Eu uso a Percepção Passiva dos personagens contra a Furtividade Passiva dos monstros para reduzir a quantidade de rolagens.

A tabela de encontros aleatórios

Eu criei uma pequena tabela com apenas d6 encontros para as sessões Fim dos Dias – 2 fáceis, 2 normais e 2 difíceis. Para uma masmorra puramente de exploração eu sugiro criar uma tabela d20 com 6 encontros fáceis, 10 normais e 4 difíceis. Use monstros apropriados para o estilo do cenário e não se intimide em incluir elementos que pareçam fora de lugar – eles poderiam ser prévias do que os espera no futuro ou simples distrações.

Com o tema “Demônios do Gelo”, minha tabela de encontro ficou assim:

  1. 2 Chillborn Zombies, 6 Zombie Rotters, 728XP
  2. 5 Dretch, 2 Zombies, 1 Chillborn Zombie, 875XP
  3. 1 Ice Troll, 3 Gnaw Demons, 1000XP
  4. 4 Rotwing Zombies, 1 Ice Troll, 1200XP
  5. 3 Harpies, 2 Spined Devils, 1250P
  6. 2 Neldrazu, 2 Chillborn Zombies, 4 Zombie Rotters, 1652XP

Palavras finais

Encontros aleatórios são uma excelente maneira de dissuadir os jogadores a fazerem Descansos Curtos freqüentemente e ajuda a reforçar a impressão que eles estão em território inimigo. Permanecer no mesmo local por muito tempo atrai perigo! Eles também representam uma forma de encorajar os jogadores a apressarem-se – não se esqueça que eles ganham um Ponto de Ação para cada dois encontros entre Descansos Curtos, então os encontros aleatórios podem ser valiosos para ganhar os Pontos de Ação para serem usados nas batalhas principais.

Até a próxima.

________________

Edição 1: Eu esqueci de mencionar – – Asmor’s 4e Random Encounter Generator é uma ótima ferramenta para criar tabelas de encontros aleatórios.

Edição 2: Existe o pdf gratis Monster Manual Encounter que eu colocaria junto a referência acima.

2 comentários

  1. Por Crom! Amei essa proposta, encontros aleatórios para 4e. Genial!Fazia tempo que eu quebrava a cabeça para reintroduzir essa aleatoriedade no D&D sem quebrar o delicado equilíbrio do sistema.Agora posso, obrigado!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s