Filhos do BRP

Quando escrevi sobre o Magic World e o comparei ao RuneQuest 6, o Pedro Ziviani, autor do Mythic Iceland me inquiriu a fazer um comparativo entre o Magic World, RuneQuest 6, OpenQuest e o Legend. Como normalmente faço, topei a parada e aqui estamos nós, comparando os quatro RPGs. O Legend foi o mais difícil de encontrar (existem muitos Legends na lista da DriveThruRPG), mas como o Fernando Pereira disse que ele estava custando 1 dólar, restringi minhas buscas e eis que o encontrei. Todos os sistemas utilizam o Basic Roleplaying System, criado em 1978 para o RuneQuest cuja ambientação é o fantástico mundo de Glorantha e sendo assim possuem muita coisa em comum, a começar a ambientação fantástica medieval. PREÇOS, FORMATOS E ONDE COMPRAR Embora seja possível adquirir a versão física do Legend, Magic World e RuneQuest 6th Edition, eu tratarei aqui somente das versões digitais, que foi as que adquiri.  O OpenQuest pode ser baixado gratuitamente no site do d101 Games, vindo em um kit de desenvolvedor zipado, com doze documentos do word separados e com uma formatação horrível e muitas vezes desencontrada. Quem tiver interesse pode baixar o OpenQuest Developers Kit. Os outros três livros são vendidos na DriveThruRPG (Legend e RuneQuest 6th Edition) e no site da Chaosium (Magic World) em formato pdf aos preços de 1 dólar, 25 dólares e 22 dólares respectivamente. O TAMANHO DA LEITURA E DIVISÕES O OpenQuest, dividido em 12 arquivos de word e […]

Leia Mais →

Fate e os Compels

Quem acompanhava o antigo fórum do ForjaRPG deve se lembrar de um tópico em que eu questionava os compels e sua utilidade em jogo. O forum ainda está ativo, mas por pouco tempo e sem a formatação, mas quem quiser pode ler diretamente o tópico. Recentemente eu li pela segunda vez o Fate Core e reli o capítulo dos aspectos do Dresden Files e mudei completamente de opinião. Para entender onde entra o compel no sistema, é necessário explicar rapidamente a economia dos pontos de fate e compreender algumas decisões de design. A primeira parte dele são os dados. Fate usa os famosos dados fudge, ou 4dF, que apesar de terem uma curva de probabilidade bem parecida com os 3d6 do GURPS, possuem uma granularidade muito menor. O que isso significa é que +2 em um teste pode ser muito maior do que +2 no GURPS ou no D&D. É por isso que a grande estrela do sistema são os aspectos, que ajudam a descrever seu personagem e podem ser invocados para ganhar este bônus de +2 no teste ou fazer uma rerolagem. Como explicado antes este bônus é bastante significativo, e para equilibrar os designers colocaram uma moeda. Essa moeda são os pontos de fate, que o jogador precisa gastar para poder fazer essa invocação. Resumindo, os pontos de fate são então apenas uma maneira de fazer o jogador contribuir mais no jogo, a conseguir alcançar o que ele […]

Leia Mais →

Anseios de um mestre velho

Durante muitos anos eu me dediquei a narrar campanhas, dando pouca atenção as aventuras prontas, que as usava sim, mas como partes da campanha e sem me importar muito se os jogadores iriam até o fim, confrontar o vilão principal e sair vitoriosos levando consigo os tesouros.Após alguns meses afastado das mesas de RPG, narrando absolutamente nada e jogando a mesma quantidade, eu me pego sentindo falta das aventuras one shot, aquelas que eu costumo chamar de aventuras para zerar.Elas são aventuras sem compromisso, ideias, eu diria, para o meu caso, que estou sem grupo e sem perspectiva de reunir um outro grupo para iniciar uma saga, independente do sistema. Todas as minhas tentativas de jogar via Facebook falharam, em parte principalmente porque as pessoas que eu convidava e insistia que jogassem, acabavam tendo a necessidade de uma sessão mais próxima, mesmo que por hangout, uma tecnologia que sendo muito sincero, não gostei. O contato entre os jogadores em uma mesa é insubstituível.Acho que por agora, queria uma experiência de jogo na qual eu não tivesse que aprender mais regras, que eu não tivesse que me importar com carga narrativa. Eu quero simplesmente entrar em uma masmorra, rolar muitos dados, se possível sair com o personagem vivo e de preferência com um tesouro. Minha mente pede isso! Meu corpo pede isso. Quero jogar, pelo simples prazer de ganhar XP matando monstros e quero fazê-lo no estilo antigo, com lápis e […]

Leia Mais →

Magic World: A fantasia medieval da Chaosium

Desde que ouvi falar, ou melhor, desde que comecei a ler alguns livros da Chaosium, me tornei fã de carteirinha de seus produtos. Eles podem não ter o charme dos livros de Dungeons & Dragons, mas são fantásticos e possuem material descritivo, ou fluff, que na minha opinião supera muitos dos produtos daWizards of the Coast. Pois bem, havia muito que eu namorava o Magic World, um sistema medieval que utiliza as regras do Basic Roleplaying Game, sistema da Chaosium. Como estou me desfazendo de minha “coleção” física de livros, ficando com alguns poucos exemplares, o BRP por exemplo, resolvi virtualizar e aderir ao mercado digital e embora com certa relutância, resolvi pagar os US$21,42 pelo pdf, e confesso, foi preciso muita coragem. Para minha surpresa, ao encaminhar a compra, descubro que tinha um crédito de US$5,00 na Chaosium, um serviço interessante de bônus que são acumulados a medida que você vai comprando. Meu interesse no Magic World, em suma, tinha tudo a ver com a ambientação. Com o BRP é possível criar aventuras em qualquer ambientação, mas o Magic World apresenta uma ambientação medieval pronta, sem a necessidade, inclusive, do próprio BRP, pois todas as regras já vem neste livro. Na primeira parte do livro Sandy Peterson faz um pequeno retrospecto de seu surgimento, com raízes no D&D e no Runequest, lançado em 1978, e um quadro resumo para quem nunca jogou RPG antes. No capítulo de Introdução o autor […]

Leia Mais →

Pathfinder Card Game – Rise of the Runelords

Terça-feira foi dia de experimentações e a bola da vez o jogo de tabuleiro testado, ou melhor, card game testado foi o Pathfinder – Rise of the Runelords. O jogo tem elementos únicos, ou que pelo menos eu ainda não havia visto em outros jogos do tipo, como a possibilidade de evoluir os personagens a medida que eles vão jogando em um modo campanha e a grande caixa vem com vários espaços vazios para acondicionar as cartas dos personagens e seus tesouros enquanto eles avançam em suas aventuras. No jogo, o grupo de aventureiros corre contra o tempo para derrotar um vilão. Cada jogador possui um deck de cartas representando seu personagem (quase como seus pontos de vida). Em muitos cenários, os personagens exploram diversos locais enquanto caçam o vilão. É preciso eliminar todas as ameaças do local, ou protegê-lo (fechando-o) de forma que se possa encurralar e vencer o vilão antes que o tempo se esgote. A medida que os jogadores jogam mais vezes, cenários serão completados, o deck será melhorado, o personagem customizado e desafios maiores e mais poderosos serão enfrentados. Os Personagens No início do jogo, cada jogador escolhe um personagem dentre os sete disponíveis, mais quatro do deck de adições, cobrindo as seguintes classes: mago, ranger, clérigo, bardo, ladrão, feiticeiro, guerreiro, bárbaro, druida, monge e paladino. Cada personagem possui uma lista de cartas que compõe o deck do personagem, formado por armas, magias, itens, aliados, armaduras e bençãos. […]

Leia Mais →

Os Senhores de Águas Profundas

Salve leitores do ForjaRPG e aficionados por jogos de RPG, tabuleiro e qualquer outra coisa lúdica! No final de semana passada, como mencionei no Rio de Dragões, abri as portas de minha casa para uma jogatina noturna, coisa que não fazia a muito tempo e na ocasião experimentei o Lords of Waterdeep, jogo de tabuleiro da Wizards of the Coast, muito bem ambientado – diga-se de passagem – na famosa Águas Profundas. Mais do que jogar o LoW, eu queria saber se os elementos do jogo evocavam realmente o gosto dos Reinos Esquecidos, e para meu deleite, o jogo me surpreendeu neste quesito. A sensação de reconhecer os elementos do jogo e suas histórias a medida que o jogo ia se desenrolando era fantástico, ainda mais com a quantidade de elementos gráficos e as possibilidades de uma campanha inteira ser desenvolvida a partir dos elementos presentes no jogo de tabuleiro. Bem-vindos a Waterdeep, a Cidade dos Esplendores! Você é um Senhor de Waterdeep, um dos regentes secretos desta grande cidade. Através de seus agentes, você recrutará aventureiros para completar missões e avançar suas agendas.  Os Senhores de Waterdeep tem a segurança da cidade em seus corações, mas cada um possui também seus próprios planos! Através de transações ilegais, mercenários e do velho suborno, você poderá guiar a cidade e tornar-se o maior Senhor de Waterdeep? O tabuleiro do jogo representa a cidade de Waterdeep e vários de seus distritos, com algumas construções […]

Leia Mais →

Rio de Dragões

Ontem, após um longo período sem abrir as portas de minha casa – não voluntariamente – para os amigos gamers – sejam jogadores de RPG ou tabuleiro – consegui reunir um pequeno grupo para saborear o autêntico açaí amapaense com pizza e jogos de tabuleiro. À mesa, além da comida, foram servidas na entrada duas porções de River Dragons e como prato principal o Lords of Waterdeep, um jogo que eu tinha grande curiosidade em jogar pelas referências ao cenário de campanha de Forgotten Realms. Sentaram-se a mesa para degustar todos os pratos eu (Franciolli), minha esposa (Ana Paula), meu irmão (Camilo), Renan e o senhor de todos os jogos do Rio Grande do Norte, Tendson Silva. River Dragons O River Dragons é um jogo despretensioso, do tipo party game, que pelo seu visual simples não me empolgou muito… até a segunda rodada do jogo! No delta do Mekong, a cada ano, os mais bravos dos pequenos povos enfrentam-se em uma famosa competição. Construindo pontes com pranchas de madeira e pedras, eles tem que cruzar o rio e alcançar a vila na margem oposta. Para chegar lá, eles terão que plenejar as suas ações com cuidado, evitar as manobras de seus oponentes e as inesperadas intervenções dos dragões do Mekong. O primeiro a chegar a seu destino receberá um dragão de ouro do próprio rei! O equipamento do jogo é composto por: 1 peça de madeira representando o jogador; 6 […]

Leia Mais →

O Sistema Importa

Este texto foi traduzido originalmente para o antigo Paragons, que no momento encontra-se desativado e estava perdido. Nas últimas duas semanas o Marcelo Telles e o João Pedro Torres me procuraram perguntando se eu tinha essa tradução e então resolvi cascaviar meus arquivos digitais, descobrindo-o nos rincões de minha caixa de mensagens.  Espero que gostem de ler ou reler este texto, que foi precursor de muitas discussões na internet, algumas boas, outras nem tanto.  * * * * * * * * * * Ron Edwardsé um projetista e teórico de RPG, além de influente membro da comunidade dos RPGs indies. Seus trabalhos incluem a criação dos RPGs: Sorcerer, Trollbabe [comentado no blog do @tionitro] S/Lay w/me, bem como foi criador do Big Model, também já abordado pelo @tionitro no seu Nitrocast, além de ser cofundador do The Forge, um fórum de discussão de teorias de RPG. Após perceber uma série de discussões novamente pela internet, resolvi fazer a tradução deste artigo e a primeira coisa que fiz foi enviar um e-mail ao Ron Edwards solicitando autorização para traduzi-lo. Ela autorizou prontamente a tradução, mas solicitou que fosse feita uma observação, que faço agora. O artigo que os senhores e senhoras lerão agora foi escrito inicialmente em 1999 e ao longo dos anos amadureceu e passou por muitas atualizações, tendo sido muito desenvolvido e esclarecido desde então. Observação feita, vamos ao artigo. Autor: Ron Edwards sorcerer@sorcerer-rpg.com Tradução:Franciolli Araújo Revisão:Pedro Leone Copyright Adept Press […]

Leia Mais →

Uma Sessão Frustrante

Finalmente, depois de vários meses hibernando, voltamos às atividades RPGísticas há algumas semanas. O sistema escolhido foi o Torchbearer, que eu estava bastante empolgado depois de ler o livro. Na primeira sessão, nós finalizamos a criação dos personagens e eu dei uma visão geral do jogo para o Augusto, que nunca tinha jogado RPG antes na vida.1 Depois de mais de uma hora de explicação, quando o pessoal já estava ciente das mecânicas mais importantes, nós jogamos o início da aventura Under the House of Three Squires, a aventura introdutória do livro. Devido a restrições de tempo, tivemos pouco mais de uma hora de jogo de fato, suficiente para alguns testes e um conflito bem rápido com ratos gigantes, que os personagens ganharam e conseguiram afastá-los para longe. Até este ponto estava tudo tranquilo e o pouco jogo que tivemos fluiu bem e sem maiores incidentes – o conjunto de grupo/sistema parecia muito promissor. Infelizmente, eu estava errado. O desastre viria apenas na próxima sessão. Na semana seguinte, continuamos o jogo de onde paramos. Os jogadores ficaram bastante tempo lidando com uma armadilha, e ganharam algumas condições tentando escapar dela. Em seguida, encontraram com um NPC que estava sendo perseguido por alguns kobolds. Este conflito, com apenas 3 kobolds opositores, foi um massacre: os jogadores acabaram com o grupo sem perder nenhum ponto de disposition. O grupo então adentrou ainda mais na masmorra, e chegaram a uma sala em que […]

Leia Mais →

Dia de desapego no Trampolim no Habbib’s

Hoje, aqui em Natal, tivemos a sétima edição do Trampolim no Habbib’s – incrível como estes eventos mensais crescem rapidamente – e eu aproveitei para realizar o Dia do Desapego, doando diversos títulos impressos a partir de originais em pdf (a maioria deles) e em alguns casos, impressos de originais feitos a muito tempo atrás, relembrando a velha geração xerox. Abaixo reproduzo uma lista de todos os livros doados e seus respectivos novos donos: LotFP – Referee Handbook Diego Filgueira LotFP – Rules and Magic Diego Filgueira LotFP – Tutorial Handbook Diego Filgueira LotFP: Flavors of fear Diego Filgueira LotFP: The grinding gear Diego Filgueira LotFP: The Monolith from Beyond space and time Diego Filgueira LotFP: Tower of the Stargazer Diego Filgueira LotFP: Weird New World Diego Filgueira RuneQuest 6th Edition Fernando Fenrir S/Lay w/Me Fernando Fenrir The Esoterrorists 1st edition Fernando Fenrir Wicked Heroes + Insylum Fernando Fenrir Dungeons & Dragons – Fantasy Adventure Game Fernando Fenrir Dungeons & Dragons – Rules Cyclopedia Fernando Fenrir Monsters & Magic Leish De Maniose Dungeons & Dragons – Night of the Walking Dead Leish De Maniose 3:16 Carnage amongst the stars Leo Costa Este corpo mortal Leo Costa Fiasco Leo Costa Dust Devils Leo Costa Vampire Dark Ages – Book of Storyteller Secrets Lituana Vampire Dark Ages – Tree Pillars Lituana Dungeon World Matheus Silva Dungeon World Guide Matheus Silva Yggdrasill Matheus Silva The Dying Earth Matheus Silva Gamemastering Matheus Silva Open Quest Matheus Silva Robin’s Laws […]

Leia Mais →