Preservers e Defilers no Dungeon World

Recentemente ando pensando bastante em uma adaptação de Dark Sun para o Dungeon World. Apesar de sua versão da 4E ter ficado excelente, o bom e velho D&D não anda mais me empolgando da mesma forma, então fiquei pensando como seria jogar nas dunas escaldantes de Athas utilizando o Dungeon World. Uma de suas marcas registradas são os magos. Em Athas, a magia destrói a vida e a natureza, e foi por causa dela que o planeta se tornou o deserto que é hoje. Para as minhas pesquisas estou utilizando o Dark Sun Campaing Setting do AD&D Segunda Edição  (o original, não o revisado) e também a versão da Quarta Edição. No AD&D, os defilers tem uma vantagem muito simples: eles avançam de níveis mais rapidamente que os preservers. Eu acho essa forma de design bastante preguiçosa, então fui em busca do que foi feito na quarta edição. Na 4E foi utilizada uma solução bastante simples e elegante: personagens arcanos que queiram fazer o defile tem a chance de rerolar o ataque, embora isso cause o dano nas criaturas em volta no valor de metade do healing surge. Apenas por curiosidade, fui conferir qual o efeito do defiling no AD&D, e ele é bem mais ameno: a vegetação ao redor se transforma em pó, e as criaturas ao redor recebem penalidade de iniciativa devido a dor causada. Dessa forma, cheguei a um movimento que aproveita os melhores elementos do AD&D […]

Leia Mais →

Entendendo o movimento em Dungeon World

Saudações amigos. Ultimamente falamos muito sobre o Dungeon World, incluindo artigos onde afirmo que Dungeon World não é para iniciantes, ideia que surgiu lendo o Dungeon World Guide. Com isso em mente, começo hoje uma tradução deste livreto e espero que curtam as ideias. Quando você ler e entender Dungeon World, role +Int… Os mestres do jogo (MJ) não rolam dados em Dungeon World, podem até rolar o dano dos inimigos, mas os personagens do mestre (PdM) não rolam dados para nada. Ao invés de rolar dados, eles executam “movimentos” e um destes movimentos chama-se “Causar Dano“. No entanto, este movimento não é arbitrário, o MJ não diz simplesmente “O orc acerta você causando 5 pontos de dano“, mas são as jogadas de dados dos jogadores que determinam as consequências de todos os movimentos. Uma versão simples do que acontece em Dungeon World é a seguinte: O MJ apresenta a configuração de uma ameaça, mas não sua conclusão; Os jogadores respondem e provavelmente jogam alguns dados; O MJ narra os resultados baseado nas rolagens dos jogadores. A mecânica dos dados é fácil de entender: Existem três categorias de resultados. Com um resultado de 10 ou mais (10+), o jogador alcança um sucesso total e tudo ocorre da melhor forma possível; Com um resultado de 7 a 9 (7-9), o jogador alcança um sucesso parcial; ele não conseguiu tudo que quis, ou pode conseguir o que queria, mas precisará sacrificar alguma coisa; Com 6 ou […]

Leia Mais →

Dungeon World não é para iniciantes

Dungeon World não é um jogo para iniciantes. Esta frase foi proferida por um jogador veterano que participou de uma mesa de Dungeon World que conduzi este ano. A princípio discordei da afirmativa, mas quando li o Dungeon World Guide, me senti bobo, pois a frase passou a fazer um sentido absurdo, mas porque? Quando você ler e entender Dungeon World, role +Int… São estas palavras que introduzem o leitor ao livreto produzido por Eon Fontes-May e Sean M. Dunstan e que tem a missão de clarificar uma série de dúvidas em relação a Dungeon World. Ficar confuso com relação a forma como conduzir o jogo não é difícil, principalmente devido a antigos vícios. Isso quer dizer que Dungeon World é ruim? Não! Muito pelo contrário, o sistema de Dungeon World é extremamente simples e intuitivo, mas quebra diversos paradigmas que temos em RPGs mais tradicionais. Os moves (ou movimentos), constituem a unidade básica do sistema, ao invés de turnos, rodadas, etc., aos quais estamos habituados. O jogo flui através dos movimentos, e em um combate, existem muito mais opções ao “eu ataco, causo dano, o monstro ataque, causa dano” de alguns RPGs tradicionais. Os movimentos funcionam, como o pêndulo de um relógio, em suas idas e vindas (diálogo mestre e jogador), impulsionando a narrativa adiante. A ação é impulsionada para frente, mesmo quando os personagens falham. PRINCIPALMENTE quando os personagens falham. Sendo repetitivo, o sistema é extremamente narrativo e toda a […]

Leia Mais →

Dungeon World + Dark Sun – Talentos Selvagens

Ultimamente ando pensando bastante em adaptar o Dark Sun para o Dungeon World. O sistema é um candidato perfeito para a adaptação, tanto pelo clima do jogo quanto pela extrema facilidade em criar regras novas para o sistema. Que lugar melhor para começar do que os Wild Talents, poderes psiônicos naturais que todos os personagens em Dark Sun começam? Os Wild Talents abaixo foram retirados do Dark Sun 4E, já que a lista da versão do AD&D contém absurdos como metamorfose, body weapon e afins. As mesmas limitações da 4E continuam valendo: os objetos são apenas pequenos, e você não pode manipular nada que esteja sob controle de outra criatura. Por outro lado, os detalhes de alcance, duração e alvos ficam completamente a cargo do grupo e da ficção, seguindo a filosofia do Dungeon World. Ao criar um personagem, role 1d10 ou escolha da lista, a critério do grupo: 1 – Equilíbrio Corporal: Você consegue mudar seu centro de gravidade e equilíbrio com o poder da mente. Em situações onde isso for aplicável, você ganha +1 no Defy Danger. 2 – Escuta Distante: Por um momento, você consegue escutar até mesmo suspiros distantes. 3 – Saber a Direção: Através do poder da sua mente, você simplesmente sabe para onde fica o norte, o tempo inteiro. 4 – Senso do Perigo: Você sente na sua nuca quando algo perigoso está prestes a acontecer. Ao utilizar o move Discern Realities, você pode […]

Leia Mais →

Sucesso e Falha Críticas em Dungeon World

Dungeon World é um sistema de RPG já bem comentado por aqui, seja nos artigos seja no ForjaCast#2 e traz um sistema bem interessante. Ao realizar uma ação na qual o mestre acredite haver a necessidade de uma jogada de dados, os jogadores jogam 2D6 e somam o valor com o modificador de atributo relevante, podendo esta ação ter três consequências básicas: 10+ o personagem é bem sucedido na ação; 7-9 o personagem é bem sucedido, mas este sucesso acarreta algum tipo de custo; 6- o personagem falha (ou não, mas algo ruim acontece). Numa conversa com alguns jogadores que estão fazendo o playtest comigo, foram levantados as seguintes questões: A margem para falha é muito grande; Não existem consequências para resultados 2 e 12 nos dados. Quem já experimentou o sistema, o que me diz? Alguém já levantou essas questões? Vocês concordam? Sugerem alguma coisa?

Leia Mais →

ForjaCast #2 – Dungeon World

Saudações aventureiros! Voltamos finalmente com o segundo episódio do ForjaCast, e dedicamos os 34 minutos do episódio para falar sobre o Dungeon World. Demos uma visão geral do sistema, com muitos comentários das partes que mais gostamos do sistema, que com certeza será muito útil para conhecer esse futuro lançamento da Secular aqui no Brasil. Se você tem interesse por D&D e está procurando uma forma diferente de jogar, não deixe de conferir. O Dungeon World pode ser exatamente o que você está procurando! Você pode comprar o PDF versão final no RPGNow, mas como o texto é completamente Creative Commons, também pode ler o livro completo online nesta página indicada pelo João Mariano pelo twitter. Já postamos sobre o Dungeon World Guide aqui na Forja, e não deixe de visitar também o site oficial e seu movimentado fórum. Não esqueça de assinar o Feed: http://feeds.feedburner.com/Forjacast e não deixe também de dizer o que achou nos comentários. Até a próxima! [display_podcast]

Leia Mais →

Dungeon World e o Dragão de 16 PVs

Este texto abaixo foi postado no fórum do Dungeon World, e reproduzido no blog do Sage LaTorra como um excelente exemplo do DW em ação. Ele foi escrito para explicar por que os dragões do sistema tem apenas 16 pontos de vida e ainda sim são aterrorizantes, mas eu achei o relato tão empolgante que vale a tradução. Nós todos já jogamos um monte de video games e RPGs “clássicos” (com os clichês tradicionais de fantasia) que nós fomos ensinados que lutar com monstros é uma questão de fazer arranhões suficientes nele até que ele caia enquanto você permanece vivo fazendo isso (pense em World of Warcraft ou Final Fantasy). Mas em Tolkien, Smaug destruiu vilas, matou milhares, porém foi morto com uma única flecha posicionada corretamente em uma escama faltante. Pense nestas lutas mais em termos de literatura e ritmo do que o clássico “eles tem X pontos de vida e nós precisamos acertar Y vezes com Z acertos para eles caírem”. O problema neste contexto é que não tem nenhuma preocupação com a ficção, isso é uma solução mecânica (uma simulaçã) de uma espada fazendo um dando consistente, e escalando os PVs do monstro para fazer com que a mesma ferramenta (uma arma) seja aplicada a qualquer problema (um monstro qualquer). Eu tinha este problema. Eu não acreditei quando li que um DRAGÃO tem 16 pontos de vida (um ranger nível 1 pode fazer isso em uma jogada […]

Leia Mais →

Dungeon World – Ravenloft E02

Salve salve leitores do ForjaRPG e pessoas que estão ansiosas pelo lançamento do Dungeon World [que enviou a versão final do arquivo para os apoiadores hoje pela manhã] ou que ainda não conhecem o Dungeon World mas que vão pirar o cabeção quando ele for lançado pela Secular Games em breve. Ontem saiu o 2º episódio do Dungeon World – Ravenloft, que aconteceu depois que li uma parte do Dungeon World Guide, que funciona como um tutorial do jogo e que é imprescindível para o entendimento do DW. Anteriormente em DW-R… Ajax (guerreiro monge), Ignus (paladino), Cassandra (barda) e Shrik (ranger) estão em Vermont quando um evento mata todos na cidade, deixando-os como únicos sobreviventes. Logo, os mortos começam a se levantar, obrigando-os a fugir para a capital do reino, Falkovnia. Em Falkovnia, o grupo é surpreendido por uma horda de zumbis, mas conseguem refugiar-se em um templo com a ajuda de Hillan, sacerdote e aparentemente único sobrevivente na cidade. S01E02 – A Rosa Branca Neste segundo episódio, após a leitura do DW-Guide, muitos pontos em relação aos Movimentos, que são as unidades básicas que constituem as sequencias de ações, percebi que a sessão melhorou consideravelmente. Toda a narrativa ficou mais dinâmica e a quantidade de combates que foram rolados foram tão dinâmicos, vibrantes e rápidos como eu nunca experimentei em nenhum outro sistema. Diferente de Dungeons & Dragons e todos os RPGs que eu conheço, não existe em Dungeon World jogadas de iniciativa […]

Leia Mais →

Dungeon World – Ravenloft

É verão no belo reino de Morvick, mas nesta noite em particular, um estranho nevoeiro cai sobre Vermont, uma vila movimentada no sul do reino. A temperatura cai consideravelmente, forçando os moradores e se recolherem mais cedo em suas casas e os viajantes a protegerem-se do vento cortante ao lado da lareira em alguma estalagem. A noite segue seu passo ritmado ao sabor de vinho barato servido nas estalagens, da cantoria desafinada e de prostitutas que fazem a alegria de quem procura um pouco mais de calor nesta noite atipicamente fria. Por uma pequena fração de tempo o mundo escurece, envolto em uma terrível mortalha de trevas quase tangíveis que rouba o calor do corpo. Até a luz das tochas desaparece em meio as trevas, ressurgindo em seguida para revelar uma cena perturbadora: com exceção de você, todos jazem caídos na taverna… dormindo, ou aparentemente mortos. O silêncio é sepulcral e o único som que consegues ouvir é o de vossa respiração e o das janelas batendo ao sabor do gélido vento. O que você faz? Assim começou uma aventura de apresentação do Sistema Dungeon World que tem como proposta criar uma história misturando elementos do Ravenloft Cenário de Campanha e o sistema Dungeon World, que está na fase final da publicação pela RNDM Games e que está sendo traduzido pela Secular Games e com previsão de lançamento para janeiro de 2013. Da aventura, a única coisa que planejei foi o […]

Leia Mais →

Guia para DMs de Dungeon World

Quando eu mestrei a sessão de Dungeon World pelo Google Hangout (que você pode assistir aqui), eu gostei muito da experiência, mas ao mesmo tempo senti uma enorme dificuldade com o sistema. Eu estive pensando nessa experiência desde o dia do jogo, pensando o que eu preciso fazer para ter uma experiência mais fluida com o sistema. A grande questão com o Dungeon World, assim como o Apocalypse World e agora com o tremulus, é que como mestre você não rola nenhum tipo de dado, em nenhum momento. Isso significa que tudo que estiver no caminho dos jogadores precisa ser colocado lá através da narração e do posicionamento ficcional do jogo, não através de regras. O que superficialmente pode parecer fácil e talvez até sem graça foi uma das experiências que mais exigiram “jogo de cintura” durante o jogo. Meu problema principal foram com os fracassos dos moves. No sistema, você tem informações precisas do que acontece no caso de um sucesso ou de um sucesso parcial, mas a falha não é sequer mencionada. Para isso, você precisa seguir os GM Moves, uma lista de coisas que servem para complicar a vida dos personagens e criar mais conflito na aventura. Mas como exatamente fazer isso foi o meu grande problema na sessão. Eis que essa e todas as minhas dúvidas e incertezas com o sistema foram explicadas em um PDF totalmente grátis feito pelos fãs. O PDF tem 59 páginas […]

Leia Mais →