Acrobacias para sobreviver

Já ouvi algumas pessoas falarem que as perícias em D&D 4E não são muito eficientes, na verdade discordo e neste artigo vou falar um pouco da perícia Acrobacia, que se bem usada pode gerar cenas muito interessantes. Garret, Halfling Ladrão 1 FOR 9; DES: 20; CON 10; INT 10; SAB: 10; CAR: 16 Acrobacia 15; Blefar 8; Furtividade 10; Ladinagem 12; Percepção 5; Manha 8. O valor +15 em Acrobacia só foi possível com o gasto, alguns diriam desnecessário, do talento Foco em Perícia (Acrobacia). Mas porque gastar um talento, que poderia ser utilizado para o combate em uma perícia? Acrobacia é uma perícia sujeita a penalidade por armadura, que normalmente é utilizada para: Manter o equilíbrio do personagem enquanto este caminha em uma superfície estreita ou instável; Livrar-se de um agarramento ou restrições (como algemas); Tomar menos dano de uma queda. Equilibrando-se Lutas épicas, mesmo em baixos níveis, podem muito bem ocorrer sobre superfícies estreitas e/ou escorregadias, onde uma queda poderia significar a morte, pelo menos para um personagem com uma baixa graduação em Atletismo. Um personagem com um valor alto em Acrobacia, que possa escolher o seu campo de batalha, poderia trazer seus inimigos para este tipo de terreno. Já imaginou lutar equilibrando-se em uma corda bamba? Ou quem sabe sobre um piso de gelo? Ou ainda um piso recoberto com algum tipo de graxa? Ao tomar dano, uma criatura pode cair enquanto estiver em uma superfície na qual tente […]

Leia Mais →

Intimidando em D&D 4E

Nem lembro quando foi a última vez que postei alguma coisa sobre a quarta edição, mas a verdade é que ela ainda ronda os meus sonhos e sempre que abro a minha estante de livros, não há como fugir de sua presença, então eu ajoelho e rezo. Outro dia, conversava com um amigo que estava insatisfeito com a falta de ação em algumas sessões que andávamos jogando, assim como com a letalidade do sistema que estávamos jogando, então propus fazermos umas fichas de Dungeons & Dragons 4E e jogarmos esporadicamente em formatos Dungeon Delve (ou exploração de masmorras pura e simples). Depois de reinstalar o Character Builder no notebook, iniciei o trabalho de fazer as fichas e comecei a refletir sobre alguns aspectos do jogo que eu, mas acredito que não somente eu, negligenciei ou deixei passar despercebido. Balasar, Draconato Senhor da Guerra 1 FOR 16; DES: 10; CON 11; INT 14; SAB: 10; CAR: 18 Atletismo 7; Diplomacia 9; Intimidação 15; Tolerância 4. Balasar é um Senhor da Guerra, líder em combate, com ar de bravura, cujo poder racial é inspirar medo. O talento escolhido foi Intimidação do Dragão, apresentado na Dragon Magazine 388 e que concede +4 de bônus nos testes de Intimidação. Mas porque uma intimidação tão alta? Não sei na mesa de outros mestres, mas nas minhas pelo menos, não interessa se nas que mestrei ou nas que joguei, Intimidação nunca foi uma perícia “útil”, embora sua descrição diga exatamente […]

Leia Mais →

Preparando a primeira aventura de D&D 4E

Muitos jogadores tem iniciado suas carreiras como mestres de RPG usando o D&D 4E – amado por uns, odiado por muitos outros –  e tem me perguntado o que devem fazer em sua primeira aventura e espero ajudar de alguma forma com este artigo. Criação dos personagens e tempestade de ideias O mestre deve basear-se na filosofia do Aiquidô, que consiste a grosso modo, em utilizar a energia dos adversários contra eles mesmos, mas neste caso, vamos utilizar a energia dos jogadores a favor do grupo. Se o sistema já está escolhido, então a primeira coisa a fazer é criar as fichas de personagens, e aconselha-se que este processo seja feito com todos os jogadores à mesa, já contando como uma primeira sessão de jogo. Antes dos jogadores dedicarem-se a tarefa de criação de seus personagens, é interessante que o mestre do jogo (MJ) apresente o cenário no qual vão jogar e deixe que eles criem as formas como irão interagir com o cenário/ambientação proposto. A forma de interação dos personagens com o cenário proposto, concederá ao MJ uma vasta gama de possibilidades que podem ser exploradas, enriquecendo a aventura. Fazendo a ficha O D&D 4E é tão estratégico que é considerado por muitos como um jogo de tabuleiro (o que discordo), e para que o seu potencial seja utilizado ao máximo é necessário inserir estes conceitos estratégicos em jogo e isso começa na criação dos personagens. Os poderes, pelo […]

Leia Mais →

Redesenhando D&D 4E

Sinceramente não sei por qual razão estou fazendo isso, ou por que tive essa ideia, se o D&D Next trazendo um conjunto de regras com algumas modificações e com a proposta de não utilizar miniaturas, pelo menos com o módulo básico por não carregar toda a carga estratégica do seu antecessor. Os jogadores que eu costumava chamar de meus, conseguiram viciar-se de forma extrema e talvez irreversível na quarta edição do D&D e mesmo não sabendo se voltarei às fileiras dos mestres desta edição – embora tenha gostado muito – pensei muito em redesenhá-lo, principalmente depois de ler uma série de regras caseiras usadas no Guia dos Sete Mundos de Ohmtar. Então vamos aos pontos, enumerados de acordo com a ordem na qual é apresentada na geração do Character Builder, as fontes que pretendo utilizar para redesenhá-lo, sem contudo transformar este em um dos Trabalhos de Hércules. 1. Classes As classes permanecem inalteradas, mas podem ser limitadas pelo mestre de acordo com o cenário utilizado. Embora sejam compatíveis, limitaria em qualquer campanha minha a utilização das classes como apresentadas nos Essentials, utilizando apenas as classes apresentadas nos Player’s Handbooks I, II e III. 2. Raças Permanecendo também inalteradas as raças e sem limitá-las, mas usando a última regra na criação onde os membros da raça recebem um bônus de +2 em um atributo e pode escolher outro atributo, entre duas possibilidades, para receber o outro bônus de +2. Algumas raças recebem treinamento com […]

Leia Mais →

Dungeons & Dragons 4E é heroico

Dizem que sou louco… porque penso em voz alta, principalmente enquanto dirijo, mas essa loucura disfarçada de sabedoria, normalmente me rende bons frutos quando o assunto é o exercício da imaginação. Ontem eu conversei um com fake no Facebook que insistia em provar seu ponto em relação ao Dungeons & Dragons 4ª Edição, após ter assistido ao Botequim dos Jogos #2, quando o Júlio Matos, o Fernando Pereira o Pedro Leone e eu discutíamos sobre Mouse Guard e Narrativismo. O ponto da discussão era que D&D 4E exemplificava muito bem o que é narrativismo na página 28 do Dungeon Master Guide da 4ª edição e daí argumentei que o D&D 4E tinha uma proposta e tentou inserir, de forma não muito eficiente, uma outra proposta para o jogo e a discussão descambou para o meu descontentamento com o sistema em relação ao equilíbrio, que considerava exagerado, beneficiando em demasia os personagens dos jogadores e fazendo-os enfrentar perigos reais apenas quando os dados resolvem não ajudar. Mas eu considerava! Isso mesmo! De ontem para hoje mudei de ideia. Na verdade mudei de ideia no caminho do trabalho, hoje, em um de meus monólogos sobre RPG, onde encontrei o motivo pelo qual o sistema da quarta edição permanece extremamente coerente a sua proposta. Na verdade, o grande mestre Leandro Nantes (Gilgan), já havia falado estas palavras antes, mas eu não as guardei em meu consciente. Dungeons & Dragons 4ª Edição é o mais heroico de todos […]

Leia Mais →

Desafios de Perícias 2 [Skill Challenges]

No último artigo eu citei alguns regras básicas para construção de bons desafios de perícias. Eu propûs quatro regras básicas para o desenvolvimento dos desafios de perícias e usei as primeiras duas regras para avaliar um desafio de perícias que eu estava desenvolvendo para a minha campanha. Felizmente, essas regras me ajudaram a apontar algumas fraquesas na minha primeira aproximação, […]

Leia Mais →

Desafios de Perícias 1 [Skill Challenges]

Eles são, na minha opinião, um dos elementos mais interessantes da quarta edição, mas como Mike Mearls,  líder do departamento de desenvolvimento de D&D diz, para dominá-lo é preciso tempo, prática e experiência prática. Ainda segundo Mike, até mesmo o departamento de desenvolvimento da Wizards of the Coast sofreu as mesmas dores de cabeça que mestres ao redor do mundo, para […]

Leia Mais →