Mais um playtest do D&D Next

Hoje rolei a minha primeira sessão do pacote dois do D&D Next e resolvi não seguir:

  1. A aventura liberada no pacote;
  2. A estrutura convencional dos jogos de D&D.

E como foi isso?

Participaram do teste o Matheus Medeiros, o Fábio Nascimento e o Diego Nacif.

Apenas o Matheus havia preparado sua ficha, e então pedi para o Fábio e o Diego escolherem suas fichas entre algumas que eu havia preparado com antecedência para uma outra aventura.  Logo tínhamos um grupo formado por dois anões e um humano, todos guerreiros, mas com as seguintes diferenças:

  • Urian – Humano / Guerreiro / Caçador de recompensas / Empunhador de duas armas;
  • Urin – Anão / Guerreiro / Soldado / Sobrevivente;
  • Thrain – Anão / Guerreiro / Matador / Sobrevivente

Pedi que os jogadores lessem as fichas antes do jogo e tirassem dúvidas. Apenas o Diego perguntou sobre os dados de expertise. Acho que todo o resto do texto ficou muito autoexplicativo.

Feito isso, pedi que os personagens criassem suas próprias histórias, o que aconteceu, o que os motivava e principalmente como chegaram neste momento juntos. Incentivei-os realmente a criar uma trama que envolvesse a todos de alguma maneira, não necessariamente criando laços de amizade, mas elos que os mantivessem juntos pelo menos por algum tempo.

Logo, uma trama foi tecida, enquanto eu assumia o papel de um mediador, costurando alguns pontos e fazendo-os desenvolver ainda mais a história.

No final, tínhamos um bastardo buscando vingança pela destruição de sua família e que encontrou na vida de caçador de recompensas uma forma de aplicar sua vingança. Um guerreiro que viu seu povo ser traído e exterminado e que desde então vem buscando o traidor – daí sua ligação com o caçador de recompensas – e um outro anão que durante muitos anos serviu ao exército, mas que buscava algo mais, que sabia jamais encontraria nas fileiras do exército.

Urin e Thrain em uma taverna, planejando sua incursão a Garganta.

Os jogadores decidiram que estavam atrás do anão traidor que foi responsável por ajudar na tomada do forte anão, facilitando a entrada de orcs e alguns ogro que dizimaram quase todos. Partiram então rumo a Garganta do Pântano, procurando pelo traidor e no primeiro dia de viagem abrigam-se em um fortim, graças aos contatos do soldado e no dia seguinte partem levando dois pôneis e um cavalo.

A noite são atacados por três orcs, sendo um deles um líder, em um combate rápido e muito interessante, onde eu deixei claro na narrativa algumas diferenças em relação aos pontos de acerto – que não são pontos de vida. No combate, apenas o guerreiro humano caiu – os anões tinham mais que o dobro dos pontos de vida dele e não sofreram nenhum dano.

Eu dei a deixa para os jogadores criarem um conflito da forma que eles desejassem, mas eles não entenderam, e pelo adiantado da hora, resolvi intervir e eu mesmo criar este desafio, depois do qual encerramos a partida e eu coletei as impressões deles sobre a sessão e a forma como a conduzi.

As impressões finais

O pessoal curtiu o playtest e a forma como ele foi conduzido, concedendo mais liberdade para eles próprios criarem, mas confessaram que a estrutura mais aberta ainda os limita, pelo costume já adquirido e enraizado da narrativa pertencer exclusivamente ao mestre.

Elogiaram o sistema, sua forma simples de resolução e principalmente em relação ao combate, muito mais dinâmico que edições anteriores e mais emocionante e principalmente pela forma que o histórico e especialidade dos personagens permitem criar conexões mais verdadeiras logo no início de uma aventura com os demais personagens.

Então é isso aí! D&D Next continua agradando com seu ritmo mais dinâmico e por enquanto sem muitos complicadores.

Vamos jogar que a experiência é o objetivo!

Categorias: Jogos de RPG

Tagged as: ,

3 comentários »

  1. E aí, o que você achou de narrar dessa forma? É diferente, não é? Mesmo que você precise dar um empurrãozinho de vez em quando, ainda acho muito mais interessante.

    Curtir

  2. Realmente, o enraizamento da narrativa pertencente ao narrador, fez com que não agissemos com mais liberdade. Mas como tudo, na próxima saberemos melhor como fazer a trama rolar e o narrador apenas mediar os fatos! Gostei muito da aventura, pois estamos experimentando um sistema novo, mesmo que seja o nosso bom e velho D&D, mas sendo conduzido diferentemente do habitual!

    Curtir

  3. A narrativa é realmente muito mais interessante Pedro, pois a história construída REALMENTE passa a ser do grupo e não somente uma narrativa na qual o narrador induz a todo instante os jogadores.E Matheus, espero que outras oportunidades surjam para darmos continuidade a aventura que achei interessante.

    Curtir

Deixe uma resposta para Franciolli Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s