O que é RPG?

Publicado por

[learn_more caption=”Observação” state=”open”] O texto a seguir é uma tentativa de explicar a pergunta mais difícil do nosso hobby: Afinal de contas, o que é esse tal de RPG? Eu já li e assisti várias explicações sobre o assunto, mas ainda sinto que falta algo que explique em linhas mais gerais e ao mesmo tempo com mais detalhes qual é a graça desse jogo estranho. Se você gostou, desgotou, ou tem alguma sugestão, deixe um comentário! Estou pensando em transformar esse texto em um vídeo e qualquer feedback é bem vindo.[/learn_more]

RPGs são uma forma de entretenimento mais antiga do que os video-games. Nós já brincamos de faz-de-conta desde o início da civilização, mas foi apenas 1974 que dois caras chamados Gary Gygax e Dave Arneson criaram o que seria o início de um novo hobbie e entretenimento, através de um conjunto de pequenos livretos chamado Dungeons & Dragons.

Bang! Eu sou a polícia e atirei em você, você morreu! Quantas vezes você não bricou disso quando era criança, se imaginando vestido de policial, correndo atrás de bandidos por campos incendiados e chuvas de meteoro que não passavam do quintal da sua casa?

O que ele tem de tão interessante é que, ao contrário de outras formas de diversão, toda a graça do RPG se passa dentro da imaginação dos seus participantes através de algo que está sendo criado na hora! O que nós fazemos, quando estamos geralmente sentados ao redor de uma mesa, com folhas de papel rabiscadas, pedaços de plástico coloridos numerados, lápis, borrachas, refrigerantes e salgadinhos, é criando uma história, coletivamente. Uma história de heróis, de aventura de fantasia, de drama, de horror, de comédia: não importa o gênero. O que é realmente importante é que ao invés de simplesmente assistir ou ler uma história, quem está ali está criando a história, a cada momento de jogo.

Imagine que, ao invés de você mesmo, você é um cavaleiro na idade medieval. Ao seu redor, outros cavaleiros estão alinhados e se agaixando, em respeito ao Rei Artur em pessoa! Ele vai até você, lhe cumprimenta respeitosamente e diz, em voz baixa: “Eu tenho uma missão para você.

Em um RPG tradicional existem dois papéis. A maior parte das pessoas que está jogando o RPG possui apenas um personagem, e é responsabilidade de cada um descrever o que aquele personagem está fazendo, e muitas vezes sentindo, na história. Eles devem descrever como estão interagindo com a história, e através dessa conversa a imaginação das pessoas cria as cenas, exatamente da mesma forma que você imagina uma cena ao ler um bom livro.

Mas nem todos os jogadores tem este papel: existe um jogador diferente, que tem outras responsabilidades. Para diferenciá-lo, os jogos criam diferentes termos para ele. Os mais comuns são Mestre do Jogo ou Narrador. O papel dele é descrever o ambiente e agir com o papel de todos os personagens da história que não são os protagonistas que os outros jogadores estão descrevendo. Quando o personagem de um jogador entra em uma igreja e vai falar com o padre, é o Mestre do Jogo que tradicionalmente descreve como é a igreja, o que o personagem vê, sente, escuta e cheira quando entra no lugar, e também faz o papel do padre.

O narrador diz para você: “A casa começa a pegar fogo, e você ouve choro de crianças dentro do lugar! O calor está quase insuportável, e as cinzas grudam no seu elmo.” Você decide que precisa ajudar as pobres crianças, mesmo estando em uma enorme e pesada armadura. “Eu vou descer do cavalo, e ir correndo até a casa! A porta está aberta?

Mas é claro que não é tão simples assim. Afinal de contas, o que diferencia o RPG de um faz-de-conta que as crianças fazem o tempo inteiro? A resposta para isso está em um conjunto de regras, chamada de “sistema”. E quais são essas regras?

Jogar RPG não é muito diferente do que as crianças fazem. Jogadores de RPG não deixam nunca de sonhar e imaginar coisas fantásticas. Imagem de Jason Chan Art.

Imagine que um dos jogadores diga que seu personagem está fazendo algo bastante simples. “Eu abro a porta” é algo bastante óbvio, ninguem iria discordar. Mas e se a porta estiver trancada? “Eu arrombo a porta com chutes” pode dizer o jogador. Mas será que o personagem dele iria conseguir? Se fosse uma porta de madeira simples, talvez. Se o personagem fosse forte, grandalhão, iria facilitar. Por outro lado, se a porta fosse de metal e reforçada, isso iria dificultar bastante.

Este tipo de situação é lidado pelas regras que estão contidas dentro do “sistema”. Pense no sistema como uma caixa preta, como um computador ou mesmo uma função matemática. Em uma parte dele entra a situação inicial, o momento que está causando a dúvida no jogo, e do outro lado da caixa sai o resultado: se ele conseguiu ou não abrir a porta.

Existe uma infinidade de sistemas diferentes, que em geral são feitos para se contar um certo tipo de história. Enquanto em um jogo medieval é importante saber como cavalgar e utilizar uma espada, em um jogo de ficção científica existem regras para se pilotar espaçonaves e agir em gravidade zero. A maior parte dos sistemas utiliza dados de alguma forma para decidir o resultado das ações, mas também existem sistemas que utilizam cartas, fichas de poker, cara ou coroa, e uma infinidade de outras coisas.

Espero que isso tenha servido para que você tenha uma noção melhor do que aquelas pessoas estão fazendo conversando alto, jogando dados e com pilhas de livros ao lado. Ao contrário de outros jogos, em um RPG você não ganha sendo melhor do que seus adversários. Se existe alguma maneira de “ganhar”, é se divertindo o máximo possível e criando uma história interessante e engajante para todos os jogadores e que, assim como um bom livro ou filme, seja lembrada por muito tempo. E como se isso não bastasse, o RPG também estimula a criatividade, o trabalho em grupo, e estimula a leitura. E se você ficou com vontade de começar a jogar RPG e não sabe por onde, em breve irei publicar um texto explicando o “caminho das pedras”.

13 comentários

  1. Definir RPG para mim é como tentar explicar um verbete no dicionário, por mais que tentemos, as vezes é quase impossível fazê-lo sem desenhá-lo.Apesar da dificuldade, curti muito o texto e vou apresentá-lo para não rpgistas e ver o que eles dizem. 🙂

    Curtir

  2. Ótimo texto, manolo. Bem simples e explicativo. Engraçado lembrar que foi vc quem me mostrou essa forma de diversão, muitos anos atrás. Muito obrigado por isso.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s