Como fazer um desafio de perícias divertido, Parte 2 – O mundo, umpalco.

Publicado por

Por Gamefiend, Tradução Franciolli Araújo

Artigo publicado no site At Will sob o título original How to Make a Skill Challenge Fun, Part 2 – The World’s a Stage.

Na primeira parte deste artigo nós discutimos os axiomas fundamentais na condução de desafios de perícias. Quando for conduzir um desafio de perícias é preciso lembrar que “desafio de perícias” é sinônimo de “interpretação estruturada”. Isso também é vital para o entendimento de que a unidade fundamental do desafio de perícias são as ações e não as perícias.

Com isso entendido, existem algumas outras idéias que eu gostaria de oferecer sobre improvisação e ambientação. Mas primeiro eu preciso compartilhar uma pequena sugestão que aprendi com vocês:

O Dado Púrpura da Falha e o Dado Rosa do Sucesso

Eu topei com isso nas primeiras vezes que rolei desafios de perícias. Eu decidi rastrear os sucessos e falhas dos personagens com dados de seis lados. Um dado púrpura para as falhas e um dado rosa para os sucessos. Quando um personagem é bem sucedido em uma ação eu coloco o dado rosa na frente do escudo e quando ele falha, quem ocupa o seu lugar é o dado púrpura. Enquanto eu não encontro um marcador melhor para usar, estas vão servindo como excelentes marcadores.

Os marcadores permitem que você inicie um desafio de perícias sem emendas:

Personagem: “Então nós iremos vasculhar a cidade procurando pelo mestre do kobold. Manha para encontrar alguma informação?”

Narrador: “Claro.”

Personagem: “Consegui um 15.”

Narrador: “Você não vai encontrá-lo nas vizinhanças calmas, isso fica aparente rapidamente. Então você procura por ele no submundo. Existem alguns poucos locais de má reputação que poderiam ser um bom ponto para começar a busca.” <coloque o dado rosa do sucesso>

Uma vez que você tenha baixado este marcador, os jogadores saberão que estão num desafio de perícias. O personagem também saber que ele ganhou um sucesso. Você entra num desafio de perícias ao estilo ninja.

Os marcadores também são legais porque você não precisa interromper a imersão de um personagem para indicar a falha ou sucesso. Considere este exemplo de uma sessão que estou narrando atualmente, onde os jogadores se disfarçaram de cultistas de Orcus e estão tentando discutir com um Senhor da Morte chamado Raxxamun para encontrar mais informações sobre os planos do culto:

Raxxamun (Narrador): “… Seu objetivo é reivindicar tantos sacrifícios para a Árvore Negra quantos forem possíveis. Para este fim, vocês fizeram bem.”

Kalil (Draconato Senhor da Guerra): “Mas Senhor Raxxamun, esta Árvore Negra… como ela serve a glória de Orcus? O que nós vamos ganhar disso?” Estou rolando Diplomacia… um 10.

Raxxamun (Narrador): Vivente, não é seu trabalho me questionar. Você servirá porque eu disse e você se lembrará do seu lugar se quiser morrer e voltar para servir ao nosso senhor” <coloque um dado púrpura> -2 nas jogadas de agora em diante amigos!

Arctana (Meio-elfo Bruxo): “Claro meu senhor. Nós não perdemos de vista o nosso lugar. Você é verdadeiramente um senhor da morta, um flagelo da vida. Nós apenas desejamos morrer e servir tão bem quanto o senhor”. Posso tentar Diplomacia para acalmá-lo?

Narrador: Claro.”

Arctana (Meio-elfo Bruxo): Consegui um 20

Raxxamun (Narrador): Os senhores da morte não ficam ruborizados, mas a sua postura mudou de alguma forma. “Bom. Certifique-se que seu amigo saiba disso ou eu os deixarei em poder da Rainha Rapina por toda a eternidade. Agora nós devemos discutir nosso próximo plano de sacrifícios…” <coloque um dado rosa>

Pode parecer uma coisa sem importância, mas eu descobri que gosto de usar marcadores não verbais para os desafios de perícias para manter o ritmo e fornecer indicadores para os jogadores. É uma coisa que recomendo a você tentar. Você deve sempre tentar encontrar cores melhores.

Uma noite de improvisação

O que o excitará mais e o drenará mais como narrador nos desafios de perícias é a quantidade pura de improvisação demandada de você. Eu confesso que eu sou um pouco sádico por improvisações durante as sessões, mas este pode não ser o seu caso.

Improvisar não precisa aparecer no projeto de desafios de perícias; Eu tenho mostrado (assim espero) com os desafios de perícias que eu tenho desenvolvido que você pode preparar um desafio de perícias com algum esforço. O chamado da improvisação virá quando os jogadores estiverem pensando fora da caixa e realizando ações que você não pensou, mas que podem ou não funcionar. Você precisa subir no palco com a interpretação e a mecânica e criar uma resposta para os jogadores.

E sim, algumas vezes você vai precisar conjurar um desafio de perícias do nada. Isso não é tão difícil quanto parece, mas isso nós discutiremos em outra oportunidade com minha série sobre projeto de desafios de perícias.

O que você precisa saber a princípio é que a improvisação para a interpretação é:

a) não tão difícil, e;

b) muito divertido.

Um livro que eu recomendo é o fantástico Unsafe de Graham Walmsley. Ele é uma leitura rápida, mas produtiva, sobre o espaço próprio da improvisação.

Mecanicamente, “O melhor amigo do narrador” e as erratas das Classes de Dificuldade são satisfatórios. Novamente, eu vou adiar essa discussão, mas prometo explorar com mais profundidade quando chegarmos a este tópico.

A parte 3 irá trazer mais sugestões detalhadas nos “acessórios” dos desafios de perícias e o uso do tempo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s