RPG na minha vida

Publicado por

Já li em alguns locais, algumas vezes escritas de forma cômica, textos assim: “como o RPG mudou a minha vida“, “como eu me tornei uma pessoa melhor com o RPG” e até “como o RPG acabou comigo“.

Sempre que esses textos aparecem na internet, são sempre acompanhados de polêmicas, algumas vezes polêmicas injustificadas.

Particularmente não posso falar pelos outros e nem irei falar com eloqüência da minha experiência, pois das inúmeras pessoas com as quais já tive contato, percebi que cada uma delas vivencia o hobbie de uma forma diferente e pode ou não desenvolver certas aptidões em virtude do RPG.

Desde criança eu gostei de ler e conheci o RPG logo após de ter comprado um Playstation. O video game nunca foi ligado por mim, pois tão logo comprado foi vendido para que eu comprasse por R$150,00 os três livros básicos de AD&D 2ª Edição e isso foi no finalzinho de 1995.

Antes de adquirir os três livros básicos, eu já jogava com o First Quest, o qual interpretei Beldar o Guerreiro na primeira aventura e por contestar algumas coisas quando a li, fui intimado a narrar as demais aventuras. Narrei as outras três aventuras e desde então tenho narrado, com poucas excessões e sempre quando jogando com outros grupos.

Minhas melhores amizades foram conquistadas dentro do RPG – meus dois padrinhos de casamento eu conheci praticamente com o RPG. A maioria das pessoas que hoje considero como sendo meus melhores amigos, conheci por intermédio do RPG.

Comecei a comprar vários livros de RPG e em 1997 não tinha livro em português que eu não tivesse lido (de AD&D) e então resolvi partir para os livros em inglês, mas tinha um problema: eu não sabia nada além do “verbo to be” aprendido na escola pública (hoje as coisas estão bem melhores) e resolvi aprender inglês na marra. Comprei um livro de Undermountain e troquei esse livro numa cópia xerocada do Complete Fighter Handbook e comecei a traduzir página por página com o auxílio de um mini-dicionário Michaelis. Definitivamente não foi fácil, mas eu tinha um objetivo: entender aqueles conteúdos fantásticos e trabalhei com afinco. Anos mais tarde consegui fazer um curso de inglês, mas o aprendido de forma autodidata foi um diferencial.

Os vários anos de experiência narrando me deram certa desenvoltura que me foram muito úteis quando iniciei minha vida como professor e o hábito de pesquisar também me foram bem úteis e contribuíram para a minha formação como pesquisador.

Tenho certeza que não escrevo tão bem quanto eu gostaria e tenho consciência que sou bem prolixo, embora isso contradiga a minha formação tecnológica, mas gostaria de um dia escrever um livro, de fantasia é claro.

Eu estava terminando o texto quando me lembrei que não se pode falar somente das coisas boas, afinal, não estou aqui para ser tendencioso (embora seja impossível não sê-lo). O RPG substitui o álcool que eu não bebo, a droga que eu não consumo e o cigarro que eu não fumo, pois tenho certeza, sou dependente de saber novidades, de criar histórias, de desenvolver tramas, mas acho que isso é um vício construtivo, vai saber!

Bem, mas isso, esperando não ter sido muito prolixo no início, é para ilustrar um fato. A maioria das pessoas que jogam comigo não gostam de ler, não tem grandes interesses em criar históricos dos personagens, não gostam de acessar a internet para ver as novidades sobre o RPG, embora, quando instigados, adoram fazer certas apelações (mas isso foi na terceira edição, que Amaunator a tenha).

Se eu perguntar pra eles o que eles ganharam com o RPG, com certeza as respostas seriam bem diferentes das minhas, pois as experiências são, com certeza, diferentes, mas tenho certeza absoluta que um ponto é comum a todos, o RPG nos fez grandes amigos.

4 comentários

  1. Saudações Caro Amigo Franciolli!Ótimo comentário sobre uma iniciação ao rpg pessoal e a forma como este hobbie pode melhorar muitos aspectos de certas pessoas e para melhor.Tenho certeza que o RPG é uma grande ferramenta positiva de desenvolvimento pessoal e cultural.Sou daqueles que defenderia até o “RPG na Escola”,afinal,além de criar amizades,ele estimula o raciocínio e o desenvolvimento social no mundo real,o que sem dúvida ja é algo que faz realmente a diferença.Sempre digo,RPG é um teatro sem script que se passa na mente de cada um envoltos em uma mesa com boas amizades e cadeiras acomchegantes,propíciando a cada indivíduo,uma emoção e experiência única e divertidaAbraçO!

    Curtir

  2. Obrigado meu amigo gaúcho pelo seu comentário. É bom saber que a pressão psicológica que tenho exercido tem contribuído para as pessoas lerem o meu blog.Como eu coloquei no artigo, como ferramente para o desenvolvimento pessoal, depende muito do que você visualiza e de como tira proveito da experiência. A história de que ele contribui para que as pessoas leiam e escrevam depende de suas inclinações para isso, podendo ser potencializadas pela experiência que o RPG lhe proporciona.Quanto a culturalmente falando, aí eu vejo benefícios mais reais, porém, ainda são muito pessoais. Para quem narra e procura informações, o RPG instiga a procurar conhecimentos a cerca de história, geografia, economia e política, muitas vezes para que você entenda as consequencias de determinadas ações dentro do seu universo, na tentativa de tornar a experiência mais verossímil.Mas no fim, é tudo sobre contar histórias e fortalecer laços de amizade.Obrigado.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s